BNDES dá sinal verde a empréstimo de R$ 25 milhões para asfalto no Rita Vieira e Parque Dallas

BNDES dá sinal verde a empréstimo de R$ 25 milhões para asfalto no Rita Vieira e Parque Dallas

07/03/2019 0 Por Humberto Marques

Investimento, se sair do papel, contará com outros R$ 5 milhões em contrapartida da prefeitura, que busca recursos para obras de drenagem.

A diretoria comercial do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) deu uma sinalização positiva pela aprovação de um empréstimo de R$ 25 milhões para a Prefeitura de Campo Grande investir em obras de drenagem e pavimentação dos bairros Rita Vieira e Parque Dallas, na região do Bandeira.

Os secretários Pedro Pedrossian Neto, de Finanças e Planejamento, Rudi Fiorese, de Infraestrutura e Serviços, além da coordenadora de projetos da Prefeitura, Catiana Sabadin, reuniram-se em Brasília com dirigentes do banco e anteciparam, de forma verbal, um parecer prévio favorável a operação.

Segundo Pedrossian, a autorização formal do financiamento só será dada após passar pela análise da equipe técnica do banco. Vencida essa etapa, a Prefeitura terá de pedir autorização legislativa, assinar o contrato com o BNDES e, só então, a partir da liberação dos recursos, licitar as obras, que já tem um projeto básico pronto.

Nesta operação a contrapartida do município será de R$ 5 milhões. A comitiva de secretários também esteve no Ministério do Desenvolvimento Regional em busca de recursos para obras de drenagem e controle de enchentes.

Empréstimo milionário para acabar com alagamentos

Prefeitura quer aplicar R$ 30 milhões para resolver problemas em vias do Rita Vieira e Parque Dallas. (Foto: PMCG/Divulgação)

Prefeitura quer aplicar R$ 30 milhões para resolver problemas em vias do Rita Vieira e Parque Dallas. (Foto: PMCG/Divulgação)


A Prefeitura pleiteia US$ 82 milhões para construção de bacias de contenção e retenção em córregos e rios que atravessam o perímetro urbano da cidade. O projetos contemplam a construção de bacias de detenção e barragens de amortecimento; drenagem e pavimentação; continuidade das obras de revitalização do Anhanduí, chegando até as avenidas Campestre (Jardim Centenário, no Anhanduizinho) e requalificação (reforço da drenagem e recapeamento) das avenidas Campestre, Manoel da Costa Lima e Ernesto Geisel (entre as avenidas Salgado Filho e Mascarenhas de Moraes), além da rua Antônio Maria Coelho.

As represas e bacias de amortecimento previstas estão orçadas em US$ 13,3 milhões. Elas terão capacidade para reter 204 milhões de litros de águas pluviais, evitando que os córregos Prosa, Segredo, Sóter e Imbirussu transbordem, provocando alagamentos como os registrados em 26 de fevereiro, quando choveu mais de 106 milímetros.

Na Bacia do Prosa, o projeto prevê uma bacia de detenção com capacidade para 5 milhões de litros, que seria construída no Córrego Vendas (entre as ruas dos Vendas e a Rua Antônio Oliveira Lima). Está prevista uma bacia de amortecimento no Córrego Sóter (entre as ruas Antônio Rahe e Rio Negro), com capacidade para 56 milhões de litros. Na Bacia do Segredo, a previsão é a construção de outra com 55 milhões de litros, entre as ruas das Balsas e Verediana e uma bacia de detenção off-line no Córrego Cascudo, para 15 milhões de litros, entre as ruas Pio Rojas e São Leopoldo.

No Córrego Imbirussu, entre as ruas Nipoã e Avenida Florestal, está programada uma barragem com capacidade para 28 milhões de litros para desempenhar dupla contenção de cheias e retenção de sedimentos. No Córrego Serradinho, que é da mesma bacia hidrográfica, é necessário a construção de uma barragem de amortecimento entre as ruas Petrolândia e Dona Paula Mariana, com capacidade para 45 milhões de litros.

(Da assessoria)