Estão apedrejando ônibus e as maiores vítimas são os passageiros

Estão apedrejando ônibus e as maiores vítimas são os passageiros

04/11/2018 0 Por Humberto Marques

Ato de vandalismo foi registrado recentemente em linha que atende o Caiobá; Polícia Municipal realiza até o fim do ano operação para coibir prática dentro de veículo.

Na noite de quarta-feira (30), passageiros e o motorista de um ônibus da Viação São Francisco registraram o apedrejamento do veículo que opera a linha Caiobá/Aero Rancho, que teve janelas destruídas. Seria pelo menos o quinto caso no mesmo itinerário e, felizmente, ninguém ficou ferido. Já a segurança no transporte coletivo de Campo Grande, mais uma vez, foi posta à prova e, agora, é alvo de ação para evitar o vandalismo e outros crimes.

pre BF - 350x250

O fato ocorreu quando o ônibus seguia pela rua da Lógica, no Portal Caiobá (região do Lagoa). Conforme relatos do condutor do veículo às autoridades, cinco veículos foram danificados por pedras no mesmo bairro em apenas uma semana. No último ataque, apenas a janela foi destruída.

O boletim de ocorrência contou com testemunho de três passageiros, enquanto os demais tiveram de descer e seguir o trajeto em outro veículo da linha. Mesmo sem feridos, a situação causa revolta, principalmente por envolver várias pessoas que, depois de um dia cansativo, ainda têm de encarar um aborrecimento ou, pior, estão ameaçadas de se ferirem dentro do transporte público.

No dia seguinte ao atentado, a Polícia Municipal –a antiga Guarda Civil Municipal de Campo Grande– realizou a operação Ônibus Seguro, que envolveu abordagens e vistoria a veículos do transporte público, incluindo revistas a passageiros, para barrar o vandalismo nos veículos e terminais de transbordo e coibir –e até punir– atos de agressão ou outros delitos.

A ação deve continuar até o fim do ano. Na quinta (31), um adolescente de 15 anos foi apreendido durante ação na linha 071 (Bandeirantes/Julio de Castilho) e no Terminal Júlio de Castilho (na Vila Sobrinho, Imbirussu), que registra o maior número de denúncias sobre ataques.


Em uma manhã, foram abordados cerca de 80 jovens. O adolescente apreendido usava uniforme da rede pública de ensino e levava consigo uma porção de maconha, sendo entregue à Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude). Ele tinha antecedentes por vandalismo.