Furto de fiação deixa avenidas às escuras e custará R$ 240 mil ao município

Furto de fiação deixa avenidas às escuras e custará R$ 240 mil ao município

09/07/2018 0 Por Humberto Marques

Prefeitura inicia nesta semana reposição de fios de cobre levados da Lúdio Martins Coelho, entre o Bonança e o Buriti.

O furto de fios de cobre usados na iluminação pública de diferentes avenidas de Campo Grande custará R$ 240,9 mil, conforme informou nesta segunda-feira (9) a assessoria do Paço Municipal. Nesta semana, será assinada a ordem de serviço para reparar a fiação instalada na avenida Prefeito Lúdio Martins Coelho, entre o Buriti e o Bonança –na região do Lagoa.

A reposição da fiação furtada inclui material e mão de obra. A tomada de preços, conforme o município, ainda reduziu em 20% o custo previsto no edital, de R$ 301 mil. No ano passado, a reposição da fiação levada de praças em bairros como o Guanandi (Anhanduizinho) e Novos Estados (Prosa) custou R$ 140 mil.

Ainda assim, é um custo para a sociedade. A Prefeitura afirma que, a fim de tentar dificultar o trabalho dos ladrões, os fios serão “enterrados” em valetas com um metro de profundidade, a serem abertas com retroescavadeiras. Antes, o cabeamento ficava a 40 centímetros da superfície.

“Também vamos pedir o apoio das autoridades de segurança para que investiguem os receptadores, já que é muito difícil conseguir o flagrante para prender os ladrões”, explica o gerente de Iluminação Pública, Elionei Francisco.

Na Lúdio Coelho, a Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), a fiação foi levada do trecho entre a rua Vital Brasil e a avenida Roseira.


Assinatura de contrato para reinstalação de cabos na Lúdio Martins Coelho acontece nesta semana; furtos de fios de cobre causam prejuízo à população. (Foto: PMCG/Divulgação)

Assinatura de contrato para reinstalação de cabos na Lúdio Martins Coelho acontece nesta semana; furtos de fios de cobre causam prejuízo à população. (Foto: PMCG/Divulgação)

Também foi registrado furto de fios na avenida Ernesto Geisel, de onde foram retirados 3 quilômetros de fiação entre a avenida Manoel da Costa Lima e a rua Ezequiel Ferreira Lima –entre o Guanandi e o Aero Rancho (Anhanduizinho). O mesmo ocorreu na avenida Salgado Filho, no viaduto Hélio Macedo (que passa sobre a Ernesto Geisel).

Em janeiro, a prefeitura já havia contabilizado o roubo de 7,3 quilômetros de fiação subterrânea em trechos das avenidas Eduardo Elias Zahran (2.000 metros) e Fernando Corrêa da Costa (2.000), na rua Plutão (3.000) e na Praça dos Imigrantes (300 metros). Na Fernando Corrêa, a ação foi filmada por câmeras de segurança, enquanto a Zahran foi alvo duas vezes de criminosos em busca de fios de cobre –vendidos para receptadores visando a reciclagem.

A prefeitura contabilizou, entre reposição da fiação e mão de obra, prejuízo de R$ 20 mil, sem falar na sensação de insegurança que tais ações representaram para a população, que deixou de contar com o serviço de iluminação.

Em outras regiões da Ernesto Geisel e na avenida Professor José Barbosa Rodrigues (que margeia o córrego Imbirussu e liga a região da Nova Campo Grande ao Zé Pereira), ao substituir fios furtados, a prefeitura instalou redes aéreas, também para tentar impedir a ação de bandidos.

Todos os casos de furto de fios de cobre foram denunciados à Polícia Civil. Em setembro do ano passado, crime semelhante permitiu a recuperação de 70 metros de fiação furtados da José Barbosa Rodrigues.