Prefeitura ameaça multar em até R$ 8,7 mil donos de 58 imóveis no São Conrado

Prefeitura ameaça multar em até R$ 8,7 mil donos de 58 imóveis no São Conrado

20/03/2017 1 Por Humberto Marques

Sujeira colocou até a Águas Guariroba e uma associação de vereadores na mira da Semadur

A Prefeitura de Campo Grande ameaça multar donos de 128 imóveis em valores entre R$ 2.187 e R$ 8.794 por não limparem suas propriedades. Do total de irregularidades apontadas na edição de terça-feira (14) do Diário Oficial do Município, 58 foram encontradas no Jardim São Conrado –na região do Lagoa, sul da Capital.

Também na região do Lagoa, o Tarumã teve 14 imóveis nos quais foi constatada sujeira a ponto de levar seus proprietários a serem multados, sendo o terceiro bairro em total de punições na “leva” divulgada pela prefeitura –atrás do Carandá Bosque 1, 2 e 3, no norte da Capital, onde 29 foram apontadas irregularidades em 29 imóveis; e à frente do Jardim Seminário, no oeste de Campo Grande, com 13 imóveis.

A lista de punições envolve 101 proprietários de imóveis, incluindo grandes empresas ou organizações da Capital –a Águas Guariroba, concessionária dos serviços de água e esgoto da Capital, e até a UCV (União de Câmaras de Vereadores de Mato Grosso do Sul, que reúne as Câmaras Municipais de todos os municípios) também foram autuadas pela Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana).

Prazo para regularização antes de a multa valer, após infração ser publicada, é de 30 dias

Prefeitura anotou irregularidades em 128 imóveis pela cidade

Mato alto e sujeira estão entre pontos observados por fiscais; multa chega a R$ 8,7 mil. (Foto: Humberto Marques)

A partir da publicação do edital de notificação, o proprietário do imóvel tem 30 dias para corrigir as irregularidades antes de a multa ser aplicada. Do contrário, recebe a punição de R$ 2.187, que dobra em caso de reincidência.


A assessoria da Águas Guariroba informou à reportagem que providenciou a limpeza dos imóveis antes mesmo de a notificação ser publicada, sanando assim a irregularidade. A reportagem não conseguiu contatar a direção da UCV-MS, no Carandá Bosque 2, para comentar a notificação.

Além do risco de arcar com uma punição pesada no bolso, manter os imóveis sujos também representa perigo para a saúde pública, pois essas propriedades criam condições para o surgimento de animais peçonhentos e vetores de doenças –como o Aedes aegypti (transmissor da dengue, febre chikungunya e do zika vírus) e o flebótomo (que transmite a leishmaniose).

O Diário Oficial com as multas pode ser baixado pelo endereço http://portal.capital.ms.gov.br/egov/downloadFile.php?id=6380&fileField=arquivo_dia_ofi&table=diario_oficial&key=id_dia_ofi&sigla_sec=diogrande