Sexta-feira de adoção no CCZ deu novo lar a quase 100 cães e gatos

Sexta-feira de adoção no CCZ deu novo lar a quase 100 cães e gatos

04/11/2018 0 Por Humberto Marques

Dezenas de pessoas estiveram no Centro de Controle de Zoonoses e saíram de lá com um novo membro da família.

O CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) de Campo Grande, na Vila Ipiranga –no Anhanduizinho– cumpriu o prometido e, em pleno feriado de Finados, abriu as portas para famílias prontas para encontrarem um novo animalzinho de estimação. Dos 105 animais abandonados à disposição, quase 100, segundo informações preliminares, foram adotados.

pre BF - 350x250

Os pets no CCZ foram abandonados ou recolhidos por equipes do órgão e voluntários da causa animal. Lá, recebem tratamento veterinário que inclui vermifugação e um chip de identificação, além de agendamento para castração nos casos em que o procedimento não pode ser realizado antes da adoção.

Em contrapartida, os adotantes apresentam documentos pessoais e de comprovação de residência e assinam termo de responsabilidade sobre o futuro do animal que, graças aos chips, tornam-se rastreáveis em caso de desaparecimento ou mesmo novos abandonos. As novas famílias também são orientadas quanto a necessidade de manter a vacinação em dia.

Pouco antes do encerramento do dia de adoção, foram registradas adoções de 19 filhotes de gato e 61 de cães, além de 12 cachorros e 4 felinos adultos.

Feira de adoção foi realizada pelo CCZ na sexta-feira, mas órgão se mantem aberto durante toda a semana. (Imagem: Divulgação)

Feira de adoção foi realizada pelo CCZ na sexta-feira, mas órgão se mantem aberto durante toda a semana. (Imagem: Divulgação)


Quem perdeu o dia de adoção, porém, ainda tem chance de adotar um animalzinho. O CCZ funciona diariamente de segunda a sexta-feira, das 17h às 19h, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 19h, especialmente para destinar cães e gatos a novas famílias.

O Centro de Controle de Zoonoses também oferece vacinação antirrábica, recolhimento urgente de animais (cães e gatos atropelados ou agressores), recolhimento de morcegos (por suspeita de transmissão de raiva) e castrações agendadas.

Médicos veterinários da unidade trabalham para esclarecer dúvidas dos moradores sobre os aspectos técnicos da vacina antirrábica, efeitos adversos e intensificam as ações preventivas e educativas referentes à raiva.