Três são presos por suspeita de matarem deficiente no Tiradentes para roubar

Três são presos por suspeita de matarem deficiente no Tiradentes para roubar

06/06/2018 0 Por Humberto Marques

Latrocínio foi esclarecido pela Derf cerca de duas semanas depois do assassinato de Olgacir Aquino Ferreira. Deficiente auditivo e aposentado, ele foi morto para que autores tomassem sua carteira e o cartão de banco.

Policiais civis da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos) prenderam três pessoas sob acusação de envolvimento no assassinato de Olgacir Aquino Ferreira, o “Surdinho”, ocorrido em 20 de maio deste ano na rua Barão de Ubá, no Tiradentes –região do Bandeira, em Campo Grande. A vítima, que seria usuária de drogas, foi morta durante um roubo. Já entre os autores havia uma pessoa que se valeu de documento em nome de outra para tentar enganar as autoridades.

O latrocínio, segundo informações da Derf, ocorreu depois que Ana Carolina Ferreira Feliciano decidiu cometer o roubo a Olgacir que, por conta da deficiência, era aposentado. A vítima estaria em um grupo de usuários de drogas no momento do crime.

Ele combinou com o seu convivente, Emerson Soares da Graça, e o amigo Marcelo Souza da Silva que, assim que Olgacir estivesse sob o efeito de drogas –que usava naquela noite–, ela tomaria sua carteira, onde estava o cartão de crédito.

Carolina e Emerson seriam andarilhos. Ela deu o sinal para que o parceiro imobilizasse Olgacir com um “mata-leão” –segurando-o com os braços e forçando seu pescoço. A vítima começou a gritar, levando Marcelo a tentar tapar sua boca.

Ferido, Olgacir foi socorrido e encaminhado ao CRS (Centro Regional de Saúde) do Tiradentes, onde morreu.


Abordados na sequência, Emerson apresentou documentos em nome de Aparecido de Oliveira Alves. O abordado já havia respondido por homicídio, mas não havia fotos no sistema policial sobre ele. Com o abastecimento das informações, em 1º de junho foi dada ordem para que Emerson ou “Aparecido” fossem presos.

Com auxílio da PM, os acusados foram localizados e encaminhados à Depac (Delegacia de Atendimento Especializado Piratininga), onde deram detalhes sobre o paradeiro de Marcelo.